Mon Amour

...

É preciso dizer adeus

Postado por - 10/01/2017

Textos   2 comentários

adeus

Tenho adiado isso há dias, talvez por achar que não conseguiria, ou pior, por achar que consigo. Você foi uma das melhores, mais intensas e magnificas histórias que já me aconteceram e eu agradeço tanto por isso. Eu não agradeço apenas pelo fato de ter sido você, mas por ter acontecido algo tão mágico em minha vida. Foi na nossa profundeza que eu me enxerguei como alguém capaz de amar e me doar de um modo que jamais imaginaria que fosse. Eu, que sempre me torturei por não conseguir me entregar e mergulhar de cabeça em algo, finalmente descobri que sou capaz de amar.

Eu tenho evitado falar sobre o que sinto por você – ou mesmo sobre você – nos últimos tempos, pois no fundo nem eu mesma sei direito como agir (só você sabe sobre a minha tendência em confundir as coisas), cada dia eu acordo de um jeito. Este é um dos textos mais difíceis que já escrevi, mas se comparado com o fato de tentar te esquecer, ele acaba se tornando banal, tão fácil de ser criado, que é como se ele já estivesse pronto mesmo antes da gente se conhecer. Sabe, eu tenho saído por aí, bebendo um pouco pra buscar me distrair da tristeza que é não ter você. Acabei conhecendo pessoas novas e reconhecendo algumas antigas, percebi que existem sim outras dezenas de possibilidades por aí e me sinto mal por não conseguir me interessar verdadeiramente por alguém ainda – tem sido tudo tão automático.

Certo dia saí com alguém e foi assustador perceber que o sorriso dele me lembrou você, por um segundo perguntei pra mim mesma se você ainda continua sorrindo daquela mesma forma e me perguntei também se o sorriso que guardo aqui na lembrança realmente condiz a realidade do seu. Acho que nunca saberei a resposta, pois mesmo se eu te ver novamente, aquele sorriso jamais será igual – será apenas uma máscara do que já fomos.

Talvez você não tenha percebido a utopia que foi o fato de termos nos encontrado, mas tenho certeza que você percebe o quão único o que tivemos foi. Talvez você tenha apenas aparecido para inspirar meus textos tristes e se foi, quero agradecer por isso também, pois há muito tempo não escrevia tanto.

Sim, eu estou te deixando para trás, mas não é por não te amar, é porque amar sozinha é doloroso demais.

Eu sempre lembrarei de você em todos os cruzamentos de ruas após a meia noite, lembrei de você ao abrir um livro e pensar que nossa história deveria estar dentro de um e lembrarei também sempre que ouvir o som do motor de um carro antigo (pensarei se é você, – algumas vezes irei até a janela ver se realmente é – nunca é).

Lembrarei que é difícil encontrar alguém que entenda minhas ironias e olhares de um modo tão rápido quanto você entendeu e por mais bobo que pareça, socar o ombro de alguém ao ver um fusca azul nunca mais terá a mesma graça. Vou lembrar do cara que estava com as mãos tremulas ao me beijar pela primeira vez. Sempre que colocar um disco pra tocar, olhar para o teto e isso parecer o melhor de todos os programas, eu lembrarei.

E principalmente, lembrarei de você em todas as horas que me faltar coragem. 

É estranho perceber e ver que uma das últimas coisas que eu te falei, sobre meu medo de conseguir te esquecer, está se tornando realidade. Você bem sabe que por mais que eu queira, eu nunca fui de acreditar em amores eternos, mas saiba que você viverá eternamente em uma daquelas gavetas do meu cérebro em que guardo as coisas importantes.

Certa vez você me disse “Eu não queria que você fosse apenas uma lembrança”. Bem, saiba que você não será apenas isso pra mim, você foi calmaria e foi caos, uma confusão de emoções que eu desejava há tempos para poder me sentir realmente viva. Foi a oportunidade que eu precisava pra saber do que eu sou capaz. E nós? Bem, nós fomos uma música inacabada que se tornou bonita só pelo fato de ter sido pensada.

E se eu estou me libertado de você hoje, não é por não ter sido importante, é para poder dar espaço a novas histórias que, assim como a nossa, eu tenho certeza que serão incríveis. – afinal, eu sou apenas uma criatura louca que senta ao lado de estranhos e compartilha devaneios.

“Apenas isso, o amor é uma névoa que
queima com a primeira luz de realidade.”
– Charles Bukowski

2 respostas para “É preciso dizer adeus”

  1. Viviane Dutra disse:

    Oie, que texto lindo e profundo. É sempre bom ler sobre o amor.
    Adorei o blog.
    Bjos
    Vivi
    http://duaslivreiras.blogspot.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *