Mon Amour

...

A plenitude não está no exagero e sim no equilíbrio

Postado por - 03/11/2016

Textos   0 comentários

fros

Por muitas vezes achamos que ter muito de algo nos trará a dita felicidade, então, passamos a querer ter muito dinheiro, muitos amigos ou um dos cargos mais altos da empresa. A gente é ansioso e está sempre com pressa de alcançar o “auge” e, assim que o alcançamos, queremos mais e mais. Está incompletude quase sempre é percebida tarde demais, quando estamos na, então, posição desejada, paramos pra pensar e chegamos na seguinte questão “ok, e agora?”.

Isso acontece porque muitas vezes interligamos a plenitude justamente em possuir algo e esquecemos que ela pode ser conquistada hoje mesmo. Tenta imaginar aqui comigo, como seria sua vida se você possui-se metade das coisas que você possui (isso pode envolver seu carro, sua casa, roupas, livros…) o que você faria? Provavelmente lutaria para conseguir conquistá-las, não é mesmo?” Na verdade, é bem possível que neste exato momento você deve estar “correndo atrás” de conquistar algo. É claro que o querer é ótimo, afinal, são nossos sonhos que nos movem, mas a questão aqui não está apenas em sonhar e desejar algo e sim em saber quais são os reais motivos de você estar querendo o que busca e se você está sendo grato por aquilo que já possui.

Ser pleno não é e nunca será você possuir a casa e/ou o(s) carro(s) dos sonhos, pois, “coisas” não estão aí para te “completar” e sim para lhe servirem, lhe darem conforto, crescimento interpessoal… Se você não se basta com o que possui e continuar com essa sensação constante de que sempre lhe falta algo, nada será suficiente. Certamente o que lhe falta nesta busca não será encontrado à venda em lugar algum e muito menos lhe custará uma fortuna. Eu sei que não parece fácil e realmente não é, mas tente não esquecer de tudo que você já conquistou (mesmo que pra você pareça pouco) e seja verdadeiramente agradecido por isso.

A partir do momento que você começa a reconhecer suas conquistas, fica mais fácil superar seus problemas. Assim como a felicidade, a plenitude é uma busca constante de equilíbrio, pois quase nunca podemos controlar os fatores externos. Estar em equilíbrio não é ter a vida de um comercial de margarina, onde você irá acordar de bom humor todos os dias pela manhã, sorrindo enquanto toma café e ouve os pássaros cantarem. Ser pleno é reconhecer suas fraquezas e tentar transformá-las em algo que irá lhe fortalecer, é saber encarar o que acontece ao seu redor com a sabedoria de que vivemos em uma constante montanha-russa, repleta de altos e baixos e que, mesmo passando por dificuldades, mais cedo ou mais tarde tudo que é seu vai chegar.

É óbvio que nunca desejamos passar por coisas ruins como desilusões ou perdas, mas acredite, tudo tem um motivo e uma razão de ser exatamente do jeito que é e ficar sofrendo por isso não lhe trará uma solução. Não estou dizendo pra você ignorar as coisas ruins, você deve sentir tudo intensamente sim, pode sofrer, se derramar em choro, mas não se desespere. Busque se concentrar em coisas além do físico, nas coisas não palpáveis, em sentimentos e principalmente, nos seus instintos, pois eles irão lhe mostrar o caminho certo. Tenha sempre em mente a certeza de que hoje pode até estar sendo ruim mas, se você vem fazendo o que acha justo e verdadeiro com os outros e principalmente consigo mesmo, logo algo incrível chega por aí.

“Os tesouros que podem ser encontrados fora de você, não podem sequer ser 
comparados com os tesouros que podem ser encontrados dentro de você.”
– Rumi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *