Mon Amour

...

Julgo, logo existo

Postado por - 21/05/2014

Comportamento   4 comentários

nikita

Não, você não entrou no blog errado. E sim esse é o lugar onde gosto de postar coisas “amáveis”. Eu ainda vou falar sobre o amor, mas hoje de um forma um pouquinho diferente, falarei sobre amor próprio e principalmente amor com o próximo.

Essa semana aconteceu algo que tornou inevitável o fato de eu ter de falar sobre um assunto que, infelizmente, não é novidade e que se tornou tão pertinente que tentamos entendê-lo como “normal”: o julgamento. Isso não é uma indireta a ninguém em especial, estou apenas compartilhando o que acredito ser o que muitas pessoas gostariam de dizer. Vejo certas polêmicas envolvendo blogueiras, amigos e conhecidos o tempo todo. Estou apenas enxergando no fato ocorrido a oportunidade de tirar algo que estava engasgado em minha garganta há algum tempo. O ato de me desprender das coisas ruins em forma de palavras e de talvez poder tocar a (in)consciência de alguém.

Então, começo lhes dizendo algo o que a maioria já sabe, não é normal, nem saudável e muito menos agrega valor na vida do próximo o fato de julgá-lo. Julgar o outro se tornou algo tão frequente, principalmente na internet, que as pessoas fazem isso de forma gratuita, sem argumentos sólidos e sem nem ao menos ter consciência dos efeitos que podem causar. Esquecem, por exemplo, que atrás da máquina chamada computador bate um coração e que todo humano tem direitos e deveres a respeitar. As vezes por estarem estressados mesmo, tentam descontar suas faltas de soluções nos demais.

É fácil usar uma tela como proteção e é mais fácil ainda enxergar os defeitos dos outros e apontá-los do que os seus próprios. Mas antes de tentar julgar alguém, as pessoas deveriam parar para pensar e se fazer algumas perguntas como “será que eu sou um bom exemplo?”, “será que faço algo de bom para mudar as situações ruins que encontro pela frente e vou poder ajudar nessa?” e principalmente “será que alguém pediu minha opinião?”.

413444_10150920104374634_1386253959_o

Julgar é totalmente diferente de dar a tão famosa crítica construtiva. Julgar é apontar o dedo, é tentar anular o pensamento do outro, é desrespeitar sua essência, sua bagagem de vida e suas experiências. Já criticar construtivamente, como o próprio nome já diz, é dar seu ponto de vista sobre algo buscando melhorá-lo.

Baseada nas minhas próprias experiências e nas de algumas pessoas próximas, posso dizer que a maioria dos “julgadores” (com que tivemos contato) tem algo a esconder. O fato de isso ou aquilo os perturbar ou ofender tanto já é razão o bastante de desconfiança, principalmente com os preconceituosos. A maioria tem como principal objetivo em comum querer ofender o outro. Alguns são apenas carentes e tem necessidade excessiva de chamar atenção. Ai entra a questão de falta de amor próprio, nós transmitimos o que há de melhor na gente e pra quem o lado do negativismo é maior que o lado positivo, sobram apenas ofensas, rancor e coisas ruins.

Caso um desses “odiadores” chegue até você, apenas busque deixar de lado o fato de ele já ter vindo com uma opinião (que pra ele é) formada e com a cabeça fechada. Procure mostrar que você tem inteligência o suficiente para respondê-lo de forma plausível e que consiga transmitir seu ponto de vista educadamente. E melhor, caso você consiga, apenas o ignore. Tudo é ensinamento e o que não te destrói, te fortalece!

Como minha vó diz “quando alguém aponta um dedo para o outro, existem outros quatro seus apontados para ele próprio”. Lembre-se que esse ser que reclama não paga suas contas e que ele e nem ninguém tem o direito de te desrespeitar e agredir de forma alguma. E deixo também uma dica pra quem gosta de julgar: se não tem nada de bom para dizer, apenas fique quieto. 

Com amor,

Eve ♥

4 respostas para “Julgo, logo existo”

  1. Jhoy disse:

    Texto muito bom!!!

  2. Mih Oliveira disse:

    O problema é que as pessoas se sentem protegidas pelo computador e acabam agindo de uma forma que, muito provavelmente, não agiriam na “vida real”.

  3. Adriane disse:

    ótimo pensamento! Acho que com as redes sociais fica muito mais fácil apontar o dedo, mesmo que atras do computador. Muita gente dando moral para pouco exemplo!
    Adorei seu blog, muito fofo! Já curti lá no face e participei do srteio! :)
    beijos e sucesso!

    http://rimelechocolate.blogspot.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *