Mon Amour

...

Claros Sinais de Loucura

Postado por - 01/03/2015

Biblioteca   2 comentários

IMG_1072

Sarah Nelson é uma garota um tanto incomum, com apenas 12 anos ela já tem que conviver com a triste realidade de ter perdido alguém. E pior, esse alguém, seu irmão gêmeo, ter sido assassinado pela sua própria mãe (crime do qual Sarah também foi vítima, mas sobreviveu). Desde então, sua mãe está internada em uma clínica para pessoas com distúrbios psicológicos e por conta de todo esse drama, Sarah e seu pai vivem mudando de cidade. Atualmente os dois moram em uma casa alugada e não muito bem cuidada onde Sarah gosta de ficar sentada os observando sobre um toco de árvore.

A relação entre Sarah com seu pai não é das melhores, mas também não é horrível, são apenas cheias de diálogos rotineiros e sem muita troca de emoção. Ela tem paixão pelas palavras (com o que eu me identifiquei bastante) e as divide em duas categorias; palavras preferidas, como palpável e palavras-problema, como loucura. Graças a primeira, Sarah gosta bastante de escrever (tanto que ela mantém dois diários, um falso e um real) e graças a segunda ela sofre do medo de se tornar “louca”.

IMG_1012

“Quando eu era mais nova, queria ser astronauta. Não poque eu tivesse algum conhecimento especial sobre espaço, o que não era o caso. Era porque eu queria ver a Terra inteira de uma só vez. Vi fotos em um livro de ela é vista do espaço e queria ver aquilo com meus próprios olhos. Um turbilhão marmoreado de azul e branco. depois ouvi um astronauta dizer que podia encostar na janela do ônibus espacial e esconder um grande pedaço do planeta. Dá vontade de saber se Deus faz isso de em quando, só porque pode. Ele talvez queira esconder certas pessoas apenas para ver como as na Terra ficariam sem ela.”

IMG_1020

Ao longo das páginas, Sarah começa a procurar por esses sinais de um modo leve. A história é mais como uma passagem de sua vida do que um enredo em si. O fato de ela não querer apresentar o trabalho sobre sua árvore genealógica ao voltar das férias, ou não passar o verão todo na casa dos avós são algumas de suas preocupações, o que é divertido.

Apesar de ser solitária, Sarah não é completamente sozinha, em sua lista de “contatos sociais” estão sua melhor amiga (ou quase) Lisa e os vizinhos Charlotte e seu irmão Finn que só vêm pra casa nas férias da faculdade. Sarah admira Charlotte, que sabe mais coisas sobre mulher do que ela mesma e, de certa forma quer se espelhar nela quando crescer. Mas é Finn com quem Sarah mais se identifica, um personagem bastante carismático e que divide com ela o amor pelas palavras.

IMG_1032

IMG_1027

Como você já deve ter percebido, Claros Sinais de Loucura é um livro é Young Adult, aliás o primeiro no gênero da escritora Karen Harrington e possui uma linguagem bastante fácil. Não é um livro pra quem está esperando “filosofar” é claro, mas também não é um livro que se tornara totalmente descartável em sua memória. É uma leitura breve e bastante gostosa de se fazer. Eu recomendo pra quem está com pouco tempo pra ler ou pra quem quer passar o tempo, ou pra você que leu o livro da última resenha que postei no blog (Diga aos Lobos Que Estou em Casa), pois a Sarah, me fez lembrar June, personagem principal desse, em várias passagens, principalmente pela maturidade.

Você já leu ou ouviu falar sobre esse livro? Tem algum outro título pra me recomendar?

Beijos e até logo,

Eve ♥

God Help the Girl

Postado por - 27/02/2015

Cinema   1 comentário

53c8dde79834f

Quando soube da existência do filme God Help the Girl, através de um clipe dele, quis assistir de imediato mas, infelizmente (ou felizmente), soube sobre ele bem antes de ser lançado. Assim que ele saiu, no ano passado, corri para assistir e foi amor à primeira vista (ou ouvida), pois o filme tem uma mistura de musical acoplada. Eu estava certa de que já havia postado sobre ele aqui no blog, mas dando uma procurada não consegui encontrar (estou chocada! Haha), vai ver é a idade que está pegando… Bom, antes tarde do que nunca!

O filme faz parte de um projeto intitulado com mesmo nome e é roteirizado, dirigido por do Stuart Murdoch (Belle and Sebastian) e narra a história de Eve (minha xará <3), interpretada por Emily Browning, uma garota que sobre de problemas emocionais e consequentemente de anorexia. Eve é apaixonada por música e por causa da doença, mora em uma clínica de recuperação. Em uma noite qualquer ela foge para ir a um show que reúne várias bandas, lá ela acaba conhecendo James, o vocalista de uma delas e os dois ficam amigos. James é um cara super bacana do tipo que procura enxergar o lado bom da vida e que também ama música.No futuro, James acaba apresentando Emily e Cassei, pra quem ele dá aulas de violão. Os três então decidem formar uma banda. 

god-help-the-girl

Emily ficou ótima no papel, interpretando perfeitamente Eve e transcrevendo minuciosamente para o telespectador cada sentimento através dos gestos e olhar. Uma coisa que surpreende bastante é a sua voz que é linda e se encaixa perfeitamente com cad canção. Olly Alexander, que interpreta James, também funcionou bastante no papel de cara legal e sonhador, mas creio que o papel, exceto pelas canções, não tenha sido um grande desafio pra ele, pois parece muito próximo de ser um cara normal. Cassey, ops, digo Hanna Murray faz lembrar muito outro personagem de mesmo nome que ela deu vida na série Skins (<3), ou pode apenas ser saudade de fã, mas uma vez ouso dizer que ela é mais uma atriz do filme em que o papel caiu como uma luva (apesar de haverem boatos que primeiramente quem ia interpretar Cassey fosse Elle Fanning).

Enfim, posso concluir que os três personagens principais fazem um ótimo time e não há o que reclamar de suas interpretações. A fotografia do filme, cheio de cores quentes, me encantou, assim como os figurinos a la anos 60/70. God Help the Girl é um filme leve e cheio de momentos fofos. Vale lembrar que o longa não é totalmente musical (o que eu considero bom), mas que as canções são essenciais para o desfecho da história. Já assisti o filme três vezes (ou mais) e com certeza ele foi pra minha lista de favoritos. Aqui você pode ver o trailer e no lugar dele deixo o o clipe que eu citei acima:

Você já assistiu ou tinha ouvido falar desse filme?

Beijos e até logo,

Eve ♥

25 coisas que aprendi antes dos meus 25 anos

Postado por - 23/02/2015

Comportamento, Listas   4 comentários

theo2

Com a chegada de mais um aniversário (dia 25, yay!) é inevitável não se pegar sendo nostálgica. Das várias histórias que passei no decorrer dos meu 20 e tantos anos, que posso confirmar que aprendi umas coisas aqui e ali que decidi que seria bom compartilha-las. Já deixo claro aqui que não sou dona da razão e que posso não concordar com ela daqui alguns anos, mas isso é o que estou sentindo agora e espero que agrade vocês.

1. Ria todos os dias, pois um dia sem rir é um dia desperdiçado;

2. Não deixe de ser positivo(a), é normal deixarmos de acreditar em muitas coisas com base em nossas experiências, mas nunca deixe de acreditar que ainda existem muitas coisas e pessoas boas por aí;

3. Tem dias que beber um café (ou mais) ao longo do dia faz toda a diferença para te ajudar a manter os olhos abertos. Assim como uma bela xícara de chá lhe fará descansar melhor;

4. Não desista de seus sonhos e objetivos. Pode ser que até os 25 você não tenha um emprego que ame, ou não tenha feito a viagem dos sonhos, mas lembre-se: ter objetivos é o que nos move, então “continue a nadar”;

5. Assista o pôr-do-sol quantos dias conseguir e ao nascer do sol o quanto puder;

6. Como dizem, junto com a idade chegam as responsabilidades e isso faz que o tempo fique mais curto e por consequência, fica inevitável manter contato com todos seus amigos. Isso faz com que seus ciclo de amizade se torne cada vez menor;

7. Mesmo estando bastante ocupado(a), nunca deixe que os momentos importantes passem em branco e sempre arranje tempo para os amigos(as), pais, irmãos e pessoas queridas em sua vida;

8. Dormir quase sempre é o melhor remédio, ajuda a afastar tristeza, diminuir a raiva, descansar e muito mais;

77823-Audrey-Hepburn-cat-wake-up-gif-LiRj

9. Problemas e dificuldades, infelizmente, são inevitáveis na vida, a diferença é o modo como você lida com eles, como diz o provérbio “Se seu problema tem solução, então não há com que se preocupar. E se seu problema não tem solução, toda preocupação será em vão”;

10. Experimente comidas e bebidas novas, você pode até não gostar do que irá provar, mas e se gostar? Não tenha medo de se “arriscar”;

11. Não deixe comer um chocolate por medo de engordar, não deixe de tomar um banho de chuva por ter medo de estragar o penteado, não deixe ir ao show de uma de suas bandas favoritas por medo de gastar. Ou seja, permita-se;

12. Poupe dinheiro, mesmo que só um pouquinho. Você precisará dele se caso um imprevisto surgir ou se quiser viajar nas férias.  E ao mesmo tempo não tenha medo de gastar com algo realmente valioso para você. Desapegue-se do dinheiro, afinal, você não deve trabalhar apenas para sobreviver;

13. Ria de si mesma, dance com si mesma, aproveite sua própria companhia e não leve a vida tão à sério. Seja agradecida por tudo que tem e apaixone-se por você todos os dias! Afinal, você irá passar todos os momentos da sua vida em sua companhia;

tumblr_inline_mhgu6btpxz1qz4rgp

14. Faça com que as pessoas que você ama lembrem-se disso. Sempre que possível, deixe um recado, dê um telefonema ou presenteie (por mais simples que seja) quem é especial para você;

15. É totalmente normal estar em casa e desejar sair e ao sair de casa e desejar voltar pra ela, mas tente se esforçar e aproveitar cada momento;

16. Tirar tempo para fazer o que gosta, ler um bom livro, assistir um filme bobo, andar de bicicleta, nunca é um desperdício.

17. Você irá ter se apaixonado ao menos uma vez na vida. E vai ter levado ou dado um fora em alguém.

18. Provavelmente você irá olhar para trás e pensar “achava que teria feito muito mais coisa até os 25″, mas com certeza você irá agradecer por não ter a mesma cabeça de alguns anos atrás.

19. Viajar faz bem pro corpo e pra alma, é uma das melhores coisas que o dinheiro pode comprar e que traz experiências que nenhum dinheiro compra;

20. Nunca é tarde para recomeçar e você não está velho demais pra isso. É claro que tentar mudar o rumo de sua vida nunca será uma tarefa fácil, mas levar uma vida que você não gosta também é difícil;

21. Chore ou desabafe com alguém quando preciso. Guardar tudo pra si, só faz mal a você mesma;

new-girl-jess-crying-gif-first-world-probelms

22. Não carregue magoa e rancor consigo, perdoe e acredite que o que é seu vai chegar. Como dizem, colhemos o que plantamos.

23. Se desligue do mundo de vez em quando, deligue o celular, o computador ou a televisão, leia um livro, caminhe na natureza, vá nadar… Faça algo para desligar um pouco seu cérebro das preocupações do dia-a-dia e recarregar suas energias;

24. Trocar uma noite de balada de sexta à noite por um jantar com amigos quase sempre será uma boa decisão, afinal, a essa altura você já vai ter percebido que o importante mesmo não é o programa e sim a companhia.

25. Outra coisa que se der sorte você irá perceber é que na vida, o que mais importa não é o ponto de chegada e sim o caminho percorrido. Viver e sobreviver são palavras com significados totalmente diferentes, então viva la vida!

Imagem: Théo Gosselin

Para inspirar – Kevin Tong

Postado por - 19/02/2015

Design, Relicário   6 comentários

5935127417_771bcb031c_b

Kevin Tong é um ilustrador freelance que mora em Austin, TX. Ele é conhecido por suas edições serigrafadas e limitadas de pôsteres feitos para bandas e filmes. Kevin é o criador desse cartaz que, como você já deve ter percebido, foi inspirado no filme Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças. A ilustração foi feita no ano de 2011 e leva o nome de “Here’s Where I Live…Lived.”. A obra teve apenas 60 cópias impressas e essas, sem surpresa alguma, se esgotaram rapidamente.

Kevin diz que “A casa faz parte do meio ambiente e muda como Joel habita diferentes memórias. A única constante é ele e Clementine e, eventualmente, até mesmo ela desaparece. Isto pode ser visto de duas formas distintas. Ou a memória está em colapso ou é montagem como ele vai mais fundo nele.” Ele também diz estar surpreso com como sua obra se vendeu rapidamente “O filme é muito popular, mas eu estava nervoso porque eu estava fazendo o oposto do que eu faço normalmente. Minhas impressões são geralmente coloridas, chamando atenção e detalhadas. Esta cópia tem cores suaves, os lotes de espaço negativo, e é simples em detalhe.”

Eu conheço algumas outras obras do Kevin e confesso que, pra mim, essa é a mais linda de todas. Talvez justamente por ela ser simples e ao mesmo tempo rica em pequenos detalhes (ou talvez por esse ser meu filme preferido).

E você, já conhecia o trabalho do Kevin? Tem algum ilustrador(a) pra me indicar? 

Beijos e até logo,

Eve ♥