Mon Amour

...

Zeitgeist – Phillip Long

Postado por - 24/07/2015

Música   0 comentários

11138599_845312918875698_3073552156959804922_n

Acho que seria impossível descrever em palavras o quão apaixonada pelo trabalho de Phillip Long estou. Eu juro que tentarei transcrevê-lo aqui pra vocês, tenho quase certeza de que não chegarei perto das minhas próprias expectativas, mas de qualquer forma irei tentar.

Phillip Long é brasileiro e, além de músico, poeta e eternamente apaixonado. Eu conheço o belíssimo trabalho dele  há um tempinho (“inho” mesmo, pois faz menos de um ano) graças a uma parceria linda dele com Phill Veras, mas nos últimos dias venho devorando-o. Imagina minha surpresa ao descobrir que esse trabalho que mal conheço (e já considero pacas) acaba de ser ampliado a mais um filho? Zeitgeist, o mais novo disco do cantor.

Zeitgeist é o nono trabalho lançado por ele em menos de quatro anos e, assim como os anteriores, é puro encanto. Lançado no dia 15 deste mês e com uma pegada leve, o disco é cheio de belas referências, como The Smiths e Legião Urbana. O álbum demonstra bastante singularidade já na primeira canção, Daniel, que narra à história de um rapaz que está amedrontado por não saber como as pessoas irão reagir ao saberem de sua opção sexual e que encontra no amor um aconchego pro seu coração.

O disco segue narrado de forma singela e cotidiana, com canções que vão além do “falar de amor”, mas que nos fazem senti-lo e nos transportam para dentro de nós mesmos. Os ritmos vão de mansinhos, como na encantadora Going With The Wild, à canções mais dançantes, como em Happiness Comes by Morning. Zeitgeist, como o o próprio título sugere, busca retratar os sinais do tempo correlacionando-os com o mundo exterior. Eu, particularmente, acredito que ele consegue nos demonstrar sentimento não apenas através do que nos rodeia e sim “tocando” em nossas próprias bagagens interiores. Concluindo, eu amei esse disco e poderia prolongar esse texto a mais de mil palavras, mas decidi parar por aqui e deixar com que vocês mesmos sintam o que só a música pode nos fazer sentir:

“…the last to go bed turn off the moon”

O disco está disponível para download no site oficial do cantor. Também não deixe de acompanhar o trabalho do moço através de sua página no Facebook.

Você já conhecia o Phillip Long? O que achou do trabalho dele?

Beijos e até logo,

Eve

 

Não é egocentrismo, é amor próprio

Postado por - 16/07/2015

Textos   0 comentários

tumblr_mt81mioY3K1qcsy25o1_1280

Para ouvir lendo

Pare de se colocar nessa situação de “vítima injustiçada”, você não é e nunca será esse ser trivial. Pare de achar que você merece ser tratado assim e que a culpa é sua por alguém estar mentalmente confuso e pouco se importando com você. Não aceite copos meio cheios e amores meio vazios; não aceite alguém que não seja, no mínimo, o melhor para você. Pare de achar que a culpa de nenhum relacionamento ter dado certo até agora é sua, ou de se forçar a estar com certo alguém por medo de não encontrar ninguém melhor logo à frente. Às vezes as coisas simplesmente são e não há explicação para elas.

Pense comigo: é mil vezes melhor um relacionamento não ter dado certo por você ser quem é do que ele ter dado certo com você fingindo ser alguém. Não se esforce demais para conquistar alguém e não fique camuflando seus defeitos, se permita! Criar um personagem utópico é fácil, difícil é manter esse padrão idealizado para sempre, isso apenas fará com que as surpresas consideradas boas acabem. Fingir ser algo que você não é servirá apenas para fazer com que um dia você acorde e não consiga reconhecer seu próprio reflexo no espelho, não se perca de você.

Mantenha a porta e janelas abertas apenas pra quem for encher sua casa de aconchego. Pra quem for te dar longos abraços nas horas difíceis e que mesmo sem saber o que falar vai demostrar estar ali para você; para quem for te alegrar mandando uma mensagem ou enviando um vídeo engraçado durante um dia esgotante no trabalho; fazer piadas bobas em um dos seus ataques de mau humor; não sentir tédio em simplesmente ficar em silêncio fazendo “nada” ao seu lado; que não vá te abandonar nos seus momentos mais malucos e esquisitos (como nas horas em que um ataque de risos surge quando não se pode rir); alguém que faça coreografias estranhas com você; que suporte ou durma ao seu lado ao ver mais um de seus filmes “chatos e parados” e diga que você é a pessoa mais linda da face da terra, mesmo você estando com uma febre de 40º e nariz escorrendo.

Eu sei que a vida muitas vezes é difícil de encarar e que quando a carência bate à porta é sem aviso, mas não se deixe levar. Não complete uma piscina de possibilidades com meio copo de nada só para não deixá-la vazia. Acredite que, assim como você já conseguiu seguir em frente em muitos perrengues da vida, você conseguirá deixar muitos outros para traz e que é melhor seguir sozinho do que andar acompanhado pela infelicidade.

Compartilhe momentos com uma pessoa que vá apreciar sua companhia tanto quanto você apreciar a dela; que enxergue a vida com leveza e que te trate como a pessoa mais importante do mundo. Espere que o respeito seja recíproco, que cada minuto ao lado desse alguém seja válido ao ponto de ambos sentirem-se especiais e merecedores com o fato de dividirem um pedacinho de suas vidas um com o outro. Que esse alguém ame suas pintinhas e cicatrizes estranhas, decore suas curvas, olhe nos seus olhos como Charlie olhou para o bilhete dourado e que sorria “tortinho” e sem jeito apenas por te ver chegar. E mais uma vez, que você não aceite nada menos!

“Você vai encher os vazios com as suas peraltagens
e algumas pessoas vão te amar por seus despropósitos”

                                                       – Manoel de Barros

Beijos e até logo,

Eve

Imagem

Playlist para ouvir no inverno

Postado por - 21/06/2015

Música   2 comentários

tumblr_m3df47ptqh1qcsy25o1_1280

Olá, pessoas e olá, inverno! A estação dos que amam ficar em casa embaixo das cobertas acaba de chegar e eu, sendo uma dessas pessoas, estou adorando. Eu fiz essa playlist ainda no ano passado, mas como ela tinha pouco mais de dez músicas resolvi não compartilhá-la. Agora que estou com ela um pouco mais completa, cá está!

Sugiro que ouçam ela à base de sopas, vinho, chás e cafés quentinhos. Espero que essa playlist ajude a aquecer seu inverno.

Gostou dessa playlist? Tem alguma música para me sugerir?

Beijos, ótimo inverno e até logo,

Eve ♥

Imagem

O prazer de ser quem se é

Postado por - 09/06/2015

Textos   0 comentários

tumblr_nat2ump3aB1qhb0aoo1_1280

Para ouvir lendo.

Por muitas e muitas vezes tentei mascarar o meu eu interior, não tentando ser alguém diferente, mas tentando me preservar de uma possível situação “constrangedora” ou para poupar uma leve estranheza alheia.  Eu sei que isso não é algo fácil de explicar, mas mesmo assim não vou deixar de tentar.

Eu sempre fui tímida e quando mais nova, fui alvo de diversas piadinhas (vulgo bullying) de colegas na escola (ou por ter dentes para frente quando criança, ou por ser alta demais na pré-adolescência ou por usar aparelho e me vestir de forma “estranha” na adolescência…) e creio que isso fez com que eu passasse a me preocupar em como “os outros” iriam reagir ou em que iriam pensar. Por esse motivo e outros tantos, passei então a me comportar da maneira considerada “normal” e aceitável, comecei a cursar uma faculdade de nutrição logo após me formar no ensino médio, arrumei um emprego “normal”, tive relacionamentos “normais”, enfim, segui o percurso “normal” da vida. Como meu subconsciente já previa, a realização de um medo interno se tornou real; tudo deu errado.

Agora com meus 25 anos e após um pouco relutância a vida me trouxe ao momento em que me encontro hoje, a tal faculdade foi trancada e deu lugar a faculdade de publicidade, há cerca de um mês sai demais um emprego “normal” e recentemente meu último namoro terminou. Agora estou aqui à deriva e sem ter alguém para culpar, além de eu mesma. Se eu tive medo de uma mudança tão “radical” assim? Sim, eu tive e ainda estou, mas acredito que há riscos que valem à pena de serem corridos. Eu sei que visto de fora, algumas coisas parecem um erro, mas eu cansei de ficar adiando e sonhando com um futuro que nunca chega, eu resolvi parar de idealizar e me concentrar em usar todas minha energias para um bem maior: me autoconhecer. Não estou em busca de ”auto definição”, afinal o autoconhecimento é um hábito que se torna constante ao passar da vida, como já disse Oscar Wilde “definir é limitar”, eu já sei muito bem do que gosto e o que não gosto, mas o objetivo é que agora eu preciso descobrir pelo o que sinto paixão.

Não é questão de egocentrismo, estou falando de amor próprio sim, mas também de sentir prazer e orgulho em ser quem se é. Não estou aqui tentando convencer alguém a largar o emprego, a faculdade, o namoro/noivado/casamento e de que isso fará tudo se torne maravilhoso (até o presente momento não está sendo assim pra mim). Vamos ser realistas, eu sei que todo mundo tem conta pra pagar, mas é preferível lavar pratos recebendo um salário modesto e estar internamente feliz a passar o resto da vida em um emprego com o salário dos sonhos que te faz sentir miserável. O que posso te garantir no momento é que, se você está se sentindo preso ou mau por estar em certa situação, onde na maioria das vezes foi você mesmo que se colocou, fazer uma dessas coisas citadas acima poderá sim evitar maiores frustrações (sua e/ou de terceiros) e tomar essa decisão com certeza o deixará mais leve. Talvez você descubra que era a coisa certa a se fazer e que seu único arrependimento é não ter tentado mudar alguma coisa antes. Se essa foi a decisão certa a ser tomada pra mim? Estou sentindo que sim. Se as coisas realmente irão dar certo? Só a vida irá me mostrar.

 Imagem

*Eu não sou a dona da razão ou a pessoa mais experiente do mundo, mas resolvi escrever esse texto como uma forma de desabafar e de pedir desculpas pelo meu sumiço. Eu sei que esse texto pode ser algo irrelevante e que talvez não vá acrescentar em nada na vida de muita gente, mas se ao menos um serzinho o ler na hora certa (aquela em que estava precisando), ter pausado o seriado alguns minutos na minha madrugada para escrevê-lo terá valido à pena. Espero poder compartilhar aqui com vocês pedaços dessa minha “nova fase” e encontrar também uma identidade para o blog cada vez mais haver comigo. Continua nos próximos capítulos…

Haha, beijos,

Eve